domingo, 20 de fevereiro de 2011

TPM ou paixão – ou os dois, e por que não?


Não sei se sou uma boa contadora de histórias. Não sei se sei ser engraçada ou não, se minhas ênfases são pertinentes ou não, não sei se sei.
Mas um dia desses, me propus a contar a um amigo, uma história que me aconteceu quando criança. É na verdade uma história sobre uma história:
Minha mãe, que me comprava muitos livros de contos de fada - que eu sempre amei ler - chegou em casa em um fim de tarde, com o livro “A sereiazinha”, da Coleção Contos de Andersen.
O livro era lindo, capa roxa, grande, e me atraiu instantaneamente. Ainda sem ler, comecei a folhear o presente, reparando nas ilustrações.
A sereia sentada na pedra, a sereia com os cabelos trançados, a sereia com a cauda em movimento pelas águas do oceano... a sereia, que sempre foi uma fantasia das meninas pequenas... Ainda me lembro que bastavam dois minutos na piscina do clube com as amigas para cruzarmos as pernas imitando uma cauda e sairmos nadando, imitando as sereias.
Continuei folheando o livro, até que me encontrei com a ilustração do príncipe.
O príncipe. Ahh, o príncipe, que decepção! As coxas eram extremamente grossas e o pescoço também. A cabeça, uma esquisitice: minúscula, láá no topo do pescoço.
O príncipe me pareceu feminino demais, e além de tudo, feio! Isso era inconcebível! Um príncipe feio!? Em nenhum outro livro de contos de fadas eu havia visto um príncipe feio! E fechei o livro.
Não li. Nunca mais. Até hoje, talvez uns 18 anos depois, ele continua morando na estante do escritório, fechado, guardando só pra ele a história de uma moça-peixe que foi condenada a viver embaixo da água com um príncipe quadrilzudo e de cabeça pequena.
A verdade é que, depois, levei aaaanoss aprendendo que os príncipes não eram necessariamente bonitos. Ou não eram necessariamente perfeitos. Era possível que eles tivessem um defeito ou outro...
Acontece que em um período curto de tempo, recentemente, fui obrigada a me esquecer de meu longo aprendizado sobre a realidade dos príncipes, e achei isso tão importante, que não pude deixar de compartilhar.
Meninas: existem, sim, príncipes perfeitos como os dos contos de fadas.
Eles são lindos, maravilhosos, gentis, atenciosos e nascidos para surpreender, todos os dias, pela manhã, pela tarde, pela noite, garotas como nós, leitoras de contos de fadas, justamente quando nossa crença nestas histórias maravilhosas estavam a esmaecer.
Sem saber se sou boa em contar histórias ou não, sem saber se esta crônica nasceu em da sensibilidade à flor da pele resultante da TPM ou se foi paixão, - ou os dois, e por que não? - uma coisa eu não deixo de contar, e recomendo que as meninas que encontrarem esses protagonistas dos contos de fadas, também não deixem:
Nunca deixe de contar, de lembrar o seu príncipe de que ele é especial, de que ele é único, de que ele é, de fato, um príncipe.
Eu não deixo!: “Já te disse hoje que você é um príncipe?”

9 comentários:

  1. Querida "sereia", eu estava sentindo a falta de suas palavras.
    Que seu Príncipe continue, a cada dia que passa, surpreendendo-lhe e proporcionando-lhe toda a felicidade que você merece.

    ResponderExcluir
  2. Já ouviu a sátira dizendo que: "Só existe um príncipe encantado, e ele ainda é compartilhado com a Cinderela, Branca de Neve, A Gata Borralheira e a Rapunzel. O resto é sapo ou ogro??" rs rs

    Tô nessa com você..
    Existem SIM príncipes encantados.
    Está nos olhos de quem sabe ver.
    Eu tenho o meu..

    Sou sua aluna de Fisioterapia da UNIP..
    Adorei o Blog.

    Beijo ;*

    ResponderExcluir
  3. http://www.celularespiao.org

    Se você precisar de um Grampo para telefone Celular, saiba que somos

    pioneiros na confecção destes equipamentos. Escuta de celular ou grampo

    telefonico Você grava tudo de forma totalmente segura e oculta e ainda

    pode receber as suas gravações por e-mail.

    ResponderExcluir
  4. http://www.marketingdeinternet.org/

    Todas estas perguntas nós temos a resposta e podemos construir o caminho para o sucesso da sua empresa. Seja ela um pequeno Bufe numa cidade do interior ou uma grande rede de lojas de varejo que queira ganhar o seu espaço na internet.
    Não temos receitas prontas, nem publicamos livros sobre Marketing de internet porque a internet é algo que muda a todo instante e voce precisa ter o Know How de anos de experência para poder oferecer ao seu cliente resultados concretos e não riscos.

    ResponderExcluir
  5. Nesse processo tão aniquilador que vivemos, onde príncipes e princesas não são usados nem como pronomes carinhosos entre casais pseudo-apaixonados, é um tanto inesperado ver de perto linhas dessa natureza.
    Se finalmente nos entregássemos à fantasia plantada nos livros, na criatividade interminável que as fadas tinham em construir mundos e pessoas tão agressivamente perfeitas que fazem qualquer comparação atual soar como um contraste gritante, poderíamos saborear um mínimo de sentimento verdadeiro.
    As expressões seriam reais.

    Estou seguindo aqui, como já estava antes.

    ResponderExcluir
  6. *Andréia, para quem AMA, o feio se torna

    BONITO !!! (*Você está APAIXONADA ?! ).

    ResponderExcluir
  7. *Caramba !!! Essa postagem foi em Março deste

    ano e hoje já é o dia 20 de JULHO !!! (*Andréia,

    CADÊ VOCÊ ?! ?! ?! risos.)

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Estou com você Andréia.
    Sempre fui a menininha que acreditava em contos de fadas, príncipes encantados, finais felizes. E, por sinal, acredito até hoje. Por quê? Porque o meu príncipe me encontrou hehe, fazendo cada dia crer que o final feliz é o amanhã que surge todo dia ao amanhecer! Problemas até nos contos de fadas têm, então, não fugimos deles, mas como diz meu príncipe: NO FIM TUDO DÁ CERTO E SE NÃO DEU CERTO AINDA É PORQUE NÃO CHEGOU O FIM!!
    Demais seu texto, porque é sempre bom saber que a menina "boba" não está só nesse mundo doido!

    ResponderExcluir